Fechar as fronteiras da Europa vira um grande negócio



A União Europeia implanta um novo sistema de gestão de fronteiras endurecendo os controles migratórios com alta tecnologia. As grandes companhias de armamento e defesa já colhem os frutos desta nova política. O Frontex, órgão responsável pelas fronteiras externas da UE, confirmou à IPS que entregou fundos a grandes fabricantes de armas e equipamentos de segurança para que fizessem demonstrações dos seus produtos. O artigo é de Apostolis Fotiadis e Claudia Ciobanu.

Apostolis Fotiadis e Claudia Ciobanu, IPS / Carta Maior

As agências de segurança nacionais participaram destas apresentações como possíveis clientes. “No caso das companhias Lockheed Martin, Fast Protect AG, L-3 Communications, Flir Systems, Scotty Group Austria, Diamond Airbonne Sensing e Inmarsat, o reembolso foi de 30 mil euros” (mais de 39 mil dólares), afirma a resposta enviada à IPS por e-mail pelo Frontex.

As empresas participaram de demonstrações de aviões não tripulados em Aktio, Grécia, em outubro de 2011, e 13 delas (Israel Aerospace Industries, Lockheed Martin, Fast Protect AG, L-3 Communications, Flir Systems, Scotty Group Austria, Diamond Airborne Sensing, Inmarsat, Thales, AeroVision, AeroVironment, Altus, BlueBird) mostraram as suas soluções tecnológicas de vigilância marítima. “Os pagamentos às companhias para cobrir os gastos pela participação na demonstração de Aktio variam de dez mil a 198 mil euros (entre 13 mil e 259 mil dólares), informou o Frontex. A norte-americana Lockheed Martin, a francesa Thales e a israelita IAI estão entre os grandes fabricantes da indústria do armamento e de segurança.

O Frontex organizou pelo menos outras cinco apresentações de tecnologia de vigilância aérea e terrestre, três na Finlândia, uma na França e outra em Alexadroupolis, na Grécia, em outubro de 2012. Todas integram a preparação para o lançamento do Eurosul, o Sistema Europeu de Vigilância de Fronteiras Exteriores, que objetiva melhorar a cooperação entre as agências de segurança dos países do bloco e promover a vigilância do Frontex, com ênfase especial no Mar Mediterrâneo e no norte da África, para controlar a imigração.

Os planos de vigilância pretendem utilizar aviões não tripulados para identificar barcos com pessoas que queiram cruzar o Mediterrâneo com destino à Europa. O Eurosul é um dos principais instrumentos do novo regime de controle fronteiriço, junto com o Smart Borders (Fronteiras Inteligentes), que implantará um Sistema de Entrada-Saída (EES) para identificar os que permanecerem além do prazo de vigência do seu visto. Também implantará o Programa Viajantes Registados (RTP) para permitir que as pessoas previamente analisadas cruzem a fronteira mais rapidamente. O sistema basear-se-á no uso de informação biométrica e numa grande base de dados pessoais.

O pacote legislativo criado pelo Eurosul foi aprovado em meados de novembro de 2012 pelo comitê de liberdades civis do Parlamento Europeu, e prevê-se que receba logo sinal verde definitivo de todo o órgão, bem como do Conselho Europeu. Enquanto isso, o Eurosul avança longe do olhar do público. A demonstração de equipamentos disponíveis é uma medida significativa na firme construção de um novo sistema de gestão de fronteiras da UE. Entre 2014 e 2020, os Estados-membros serão incentivados a comprar os dispositivos com apoio da UE.

A Comissão Europeia estima que a criação do Eurosul poderá chegar a 338 milhões de euros (quase 443 milhões de dólares). Contudo, o estudo Borderline (linha de fronteira), sobre o novo sistema, publicado pela Fundação Heinrich Boll, afirma que os custos poderão “facilmente” chegar a 874 milhões de euros (1.145 milhões de dólares), dado que é rejeitado pela Comissão. A implementação da iniciativa Smart Gates (Portas Inteligentes) é estimada em 400 milhões de euros (524 milhões de dólares), segundo a Comissão Europeia, mais 190 milhões de euros (248 milhões de dólares) por ano com custos operacionais.

Segundo o estudo Bordeline, “apesar da ausência de um projeto de lei, ou até de um acordo de princípios sobre a implantação de fronteiras inteligentes na UE, a Comissão Europeia já destinou 1.100 milhões de euros (1.441 milhões de dólares) ao desenvolvimento do sistema EES e RTP do Fundo de Segurança Interna da UE” (2014-2020). Este fundo converter-se-á num novo componente do próximo orçamento da UE (mesmo período), em substituição ao Fundo de Fronteiras Externas.

Segundo uma proposta da Comissão Europeia, o Fundo Interno chegará a 4.648 milhões de euros (6.648 milhões de dólares) por ano, e entre as suas prioridades estratégicas está “financiar a criação do EES e do RTP bem como a introdução e a operação do Eurosul, especialmente por meio da compra de equipamentos, infraestrutura e sistema de segurança pelos Estados-membros”. Também “promoverá o potencial operacional do Frontex, ao convidar os membros da UE a destinarem recursos adicionais no contexto dos seus programas para equipamentos especializados, que poderão estar à disposição do órgão para as suas operações conjuntas”, acrescenta a proposta.

No começo de dezembro, o Parlamento Europeu deu luz verde ao Fundo de Segurança Interna. Agora, só falta a aprovação do Conselho Europeu para que se torne operacional. A previsão é de que os Estados-membros tomarão a decisão final sobre o orçamento da UE no mês que vem.

“A política de segurança na fronteira vai na direção errada” disse à IPS a eurodeputada do Partido Verde, Ska Keller. “Neste contexto de profundas medidas de austeridade e cortes orçamentais, é incrível que a UE gaste milhões de euros em portas inteligentes, aviões não tripulados e outras tecnologias de vigilância. É uma vergonha maior o facto de que os que mais lucram com o Eurosul sejam as grandes companhias de defesa europeias”, afirmou.”
Via Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Comentários: